ESPOSENDE E O SEU CONCELHO


sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

"Cantinho dos lobos do Mar"

“ O Trio”  na cela…
  Alguns jovens, com os seus quinze aninhos de idade, numa friorenta tarde de dezembro de mil novecentos e sessenta e oito, época natalícia, filhos legítimos da ribeira,- Toninho “Zurique”, Santos, Candinho e  João  Muchacho- estavam a jogar futebol, no caminho que separava  as casas do Bairro de S. Vicente de Paulo, em plena rua de S. João. 
 No calor do jogo, o Ribeirinho acidentalmente, mandou uma bolada ao neto do Li e, depois de muito alvoroço, o Li -Alfredo Barros Lima, pescador mestre da motora Daniel José-apresentou queixa no posto da GNR de Esposende, tendo  o processo seguido para o Tribunal já que o Li, teimosamente, não perdoou ao Ribeirinho, que se tinha “desfeito em mil desculpas”.
Os três amigos, afirmaram, no Tribunal de Esposende, que não tinham visto nada, contudo o “Caravelha”, como testemunha, tinha dito em tribunal  que eles tinham visto tudo e que estavam a mentir…
 Já dentro do tribunal, o Candinho começou a espreitar por uma “frincha” da porta da sala de audiências e, por mero azar, foi visto pelo   “Garcia velho” que ficou possesso e furioso, e de dedo em riste, virou-se para o Candinho disse-lhe, num tom de voz ameaçador:
 Ó seu vadio, vais para o xadrez e não vai demorar muito tempo…
O Candinho, descalço, tremia “como varas verdes” pois, possuía  “cadastro”  uma vez que ,  já tinha sido preso, por ser apanhado,  a pescar à lampreia, num dia da estacada e, como castigo, foi condenado a “serviço comunitário” sendo obrigado a limpar o rio Cávado onde se amontoava o entucho das cheias. Claro que, o Candinho, não aceitou o castigo e foi parar à cadeia tendo afirmado que estava melhor preso que a trabalhar para o “tenente”…
 O Adão, escrivão do tribunal, ia registando, na sua velha máquina de escrever “Olímpia”, todos os pormenores da ocorrência, organizando o processo para o veredicto final.
 Depois da audição final, a mandato do juíz, os três ribeirenses foram conduzidos, pelo sr. António carcereiro, para a prisão, por terem mentido.
 Estiveram presos durante dois dias e duas noites e na friorenta cela, o Muchacho começou a chorar, dizendo que não queria morrer!
  O Santos, passava o tempo a cantar o fado para se distrair e a Laura do Roto, que tinha uma loja perto da cadeia, foi fazer queixa ao carcereiro, senhor António, pai do Manel Maria da Ritinha Padeira porque não conseguia dormir com tanta barulheira. O trio foi avisado pelo senhor António mas, a irreverência era “fogo que não se apagava” com facilidade…
 O Santos, continuou a cantar o fado mais baixinho e parecia um pintassilgo a cantar e a “dobrar”, ajudado pelo Muchacho! Este amigo desesperado, certo dia, pegou numa vassoura e queria “matar” o carcereiro porém, o Santos  tirou-a das mãos para não agravar a  situação penal... O João Muchacho ia resmungando para as paredes da cela e passava o dia a dormir, curtindo as mágoas…
  O Candinho que se encontrava deitado no colchão “pulguento” da cela propôs aos amigos, para que no dia trinta e um fossem pôr o “Ano Velho Fora” pois, tinha uma carrela, uma japona do pai e um “sueste” do tio Geno.
 O Santos olhou de soslaio para o amigo e respondeu-lhe prontamente:
 O que quero é sair desta “cela velha” e o meu pai, quando chegar a casa, vai-me mas é “chegar a roupa ao pelo” e lá se vai o “Ano Velho Fora”…
 O Pai do Santos, senhor Delfino, junto à lareira de casa, estava à espera do seu filho, para ir ao mar na Motora, e começou a  ficar preocupado com a sua longa ausência. A senhora Maria Fifas, mãe do Santos, sentada num carunchoso banco, rezava pela sorte do filhinho que já lhe tinha pregado muitas partidas e precisava dele para apanhar isca porque tinha uns banhistas, seus clientes, que vinham aos sábados buscar as suas doses de isca para pescarem no cais “bilhano” onde as “pintas” estavam a “monte”...
  Passadas umas horas, veio a saber pela “Maranhona” que o seu filho Santos estava preso.
  Foi, de imediato, falar com o carcereiro que lhe disse que o filho realmente estava preso e tinha levado dois dias de prisão assim como o Candinho Gaivota e o João Muchacho. O Toninho “Zurique” tinha sido multado e escapara à prisão, por sorte dele!...
  Entretando, o Alfredo Muchacho, pai do João, ao saber da notícia pelo “Caravelha” deslocou-se à prisão e foi falar com o carcereiro que lhe disse :
- Posso libertar o João, tio Alfredo, umas horas antes …
 Não preciso de favores, respondeu de imediato o Alfredo Muchacho, pois esse vadio vai cumprir os dois dias e “mais nada”…
 Pela noitinha, os três “artistas” foram soltos e, envergonhados, correram pela ribeira, e só pararam na Nélia para beberem uns suminhos a “meias” mas, o que eles queriam era ver a Branquinha de Vila Cova, a esbelta criada do Manel da Nélia…
 Neste período natalício, a Nélia tinha as mesas e os balcões cheios de bolos de rei e muitas outras guloseimas: uvas passas, nozes, pinhões, figos de mel, frutas cristalizadas, chocolates…
  Estes três “mosqueteiros” ficaram felizes por terem visto a Branquinha, com o seu avental folheado e a sua touca rendilhada, mas, perante os olhares ameaçadores do Manel da Nélia, que já os conhecia como “engatatões”, pagaram a despesa e foram para as suas casas porque tinham de ir para o mar, às cinco horas da manhã e o sono atormentava-os…
"Cantinho dos lobos do Mar"
NOTA:
 Isto aconteceu em 1967/68 (?)
História contada, no dia 17 de Setembro de 2014 pelo Santos Coutinho, Candido V.Boas e João Muchacho, junto à lota e Esposende pelas  11 horas da manhã.

CMLB

Farol de Esposende


Assinatura anual:
Portugal - € 17
Estrangeiro - € 20
Sede e Redacção: Av. Eng. Eduardo Arantes de Oliveira
Estação de Socorros a Náufragos - 4740-204 Esposende
Telefone / Fax 253 964 836